BRF enfrenta mais um desafio: a ameaça de perder as exportações à Europa. Nesta quarta-feira, espera-se que a UE formalize embargos a pelo menos 15 plantas exportadoras de frango da processadora de carnes.

18 ABR 2018
18 de Abril de 2018
Com dificuldade na formação de seu novo conselho de administração,             a BRFenfrenta novos problemas nesta quarta-feira. Espera-se que a União   Europeia formalize embargos a pelo menos 15 plantas exportadoras de         frango da processadora de carnes.                                                                   A decisão depende de uma votação dos países-membros do bloco                   econômico, mas o governo já dá como certas as sanções à empresa.           Há um mês, quando estourou nova fase da Operação Carne Fraca,               batizada de Trapaça, o próprio Ministério da Agricultura havia suspendido a exportação de frango de 10 das 35 fábricas da BRF para a Europa,                 justamente para mitigar maiores embargos à indústria.                                    Naquele episódio, foi preso o ex-presidente da companhia, Pedro Faria, e    foram bloqueadas unidades em Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Goiás.                                                                                           Nesta quarta, a Comissão Europeia formaliza o fechamento de mercado      destas unidades e deve acrescentar novas. Em 2017, o Brasil vendeu 435      milhões de dólares em frango in natura para a União Europeia e a BRF tem a maior fatia deste mercado.                                                                                    Para evitar as sanções, o ministro da pasta, Blairo Maggi, retornou na           semana passada de Bruxelas, para onde viajou em missão oficial de              reversão de danos. De acordo com o ministro, o bloqueio não é sanitário,      mas “parte de uma guerra comercial”.                                                                 Blairo diz que também tentou reverter acordos comerciais. A União                Europeia, segundo ele, insiste em descumprir as regras da Organização         Mundial do Comércio ao impor barreiras tarifárias ao frango brasileiro,            estabelecido por cota máxima de exportação.                                                     O maior temor do governo, contudo, é que sanções sanitárias emplaquem     como justificativa, pois haveria fechamento de novos mercados. A situação    pioraria ainda mais a situação da empresa, que acumula queda de 15% no     valor das ações nos últimos 30 dias e tem abates controlados para manter    os preços.                                                                                                                  A reunião de conselho que deve definir o futuro da BRF está marcada       para o dia 26. Até lá, a empresa continua acéfala, o que dificulta ainda mais a resposta a esse tipo de desafios.                                                                    
Fonte :       https://exame.abril.com.br                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           

Voltar